Bolsa Família e a Modernização do Clientelismo


Próximo das eleições presidenciais os pré-candidatos já começam a exaurir tudo o que sabem sobre como fazer política, articulações, promessas e o "compromisso com a verdade" são uma das “bandalhas” que estes tomam para obter o poder. A mais recente cartada - e a mais antiga e eficaz - foi o discurso de preservação do tão conhecido Bolsa Família feito até mesmo por aquele que antes o criticava com afinco, mas decidido a ter o voto da população menos favorecida.




Já é lugar-comum saber que os candidatos estão pouco se importando para os benefícios, prejuízos e tudo aquilo que deveria ser posto em discussão antes de tomar sua posição, não, o que querem é nada mais que o voto, não a verdade. Parece bobagem o que digo? pois bobagem é preferir ouvir o que quer e não o que é preciso.

A história do Bolsa Família é idêntica a qualquer outra história em que o Estado tenta dar um de bonzinho para encobrir suas besteiras e continuar com o apoio popular, é nada mais que uma forma sofisticadíssima do clientelismo, uma forma de garantir que os seus beneficiários pensem duas vezes antes de perder suas regalias e sua vida fácil com o dinheiro público.

Entendam que não há aqui um discurso antissocial, há apenas o que qualquer ser pensante consegue enxergar: O Estado não dá oportunidade, não oferece emprego com a criação de indústrias, com a livre economia, com uma menor burocracia na abertura de novas empresas, com menores impostos ao micro e médio empreendedor, com o investimento na educação de nível médio, com incentivo para que o estudante termine a escola, maiores investimentos em especializações e cursos técnicos - não. o povo, hoje súdito do governo, tem de continuar súdito dele, não pode ter oportunidade igualadas em ingressar na sociedade.

Isso é defender o Bolsa Família, como disse Lula:
“É por isso que se distribui tanta cesta básica, é por isso que se distribui tanto tíquete de leite; porque isso, na verdade, é uma peça de troca em época de eleição” - Luiz Inácio Lula da Silva[1]

Cesta básica e tíquete de leite poderiam ser facilmente trocados "dinheiro de graça". É uma verdadeira piada. E para aqueles que ainda acreditam nessa forma de governo vejam a França que depois de implantar uma política de assistência para imigrantes e menos favorecidos abriu um rombo nas finanças do país levando a uma elevação no índice máximo de tributação para 75% em cima da classe média, que começou a sair do país o que diminuiu ainda mais o número de contribuintes.

Como escreve Roger Scruton em seu livro COMO SER UM CONSERVADOR , página 74, §1.
"Uma dessas fraudes é a doutrina de que o Estado de Bem-Estar Social administra o produto social como um ativo comum, 'redistribuindo' a riqueza de modo a garantir que todos recebam a parte a que têm direito"

Tudo isso está em pauta nas eleições 2018, o que temos que entender, é que não importa o quão desagradável seja o que for dito, desde que seja a verdade. Está para nascer um político que fale o que tem de ser dito até o final, não se importando com o fracasso, mas com a moral para que não haja controvérsias, mas confiança de que finalmente este representará o interesse da nação e não o seu próprio.





[1] Veja o vídeo de onde foi tirada esta transcrição do então candidato Lula: http://www.youtube.com/watch?v=_LvF18nmXw4. (Barbosa & Constantino)